sexta-feira, 31 de julho de 2009

Fome!


Pois que tenho vontade.
Fome!
Querência, dormência, malemolência...
Pois que quero o mundo engolir sem pensar no certo ou errado
Sem ser boa ou ruim,
Santa ou pecadora,
Fogo ou água
Quero tudo pra mim
E dar tudo de mim
Ai! que nesses dias de noite calma e silenciosa
De rotina gasta e cautelosa
Eu quero ir
Ir-me embora
Partir atrás da vida que se perdeu
Buscar da solidão a morte certa
Mas fazer o que se solidão é meu suporte
É do que sou feita
É minha força, minhas pernas no caminho
Fazer o que se é preciso que me baste olhar estrelas do quintal
E sonhar que um dia estarei longe
Que um dia serei tudo e terei tudo
Todos os mistérios da vida
Todos os gostos do mundo
Pois que tenho vontade
Fome!
Só não sei de quê.

Um comentário:

disse...

Me assustei! rsrsrs
Não sabia que você também blogava.
Você escreve muito bem Ana!
Bjoo